sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Lixão com restos de soldados

Um texto que eu achei em um forum sobre conpirações e afins, pelo que eu soube sempre houve uma diferença entre governo americano e povo americano. O fato que o povo americano mais tradicional não simpatiza com o governo não é novidade, o governo americano na verdade não tem uma identidade própria e pelo que parece é composto cada vez mais por "bizarrices", "sociedades secretas estranhas", "membros estranhos" e assim vai... esse texto ai se é verdadeiro não sei, mais parece um exemplo de um país que está sendo dominado por algo ruim que fugiu do controle deles.


"WASHINGTON - O Estado de S.Paulo
A Força Aérea dos EUA jogou as cinzas dos restos mortais de pelo menos 274 soldados americanos em um lixão no Estado de Virgínia. O número é muito maior do que as Forças Armadas haviam reconhecido há três anos, quando interromperam a aplicação do método, usado até então em sigilo.

O local do lixão não foi revelado às famílias, que haviam autorizado o governo a dar um "fim digno e respeitoso" a seus parentes. A Força Aérea sempre declarou que não tinha condições de avaliar o número exato de soldados cujos restos mortais foram enviados para o lixão. A prática foi revelada no mês passado pelo Washington Post, que documentou o caso de um soldado cujos restos foram enviados para o lixão do Condado de King George.

Representantes da Força Aérea e do Pentágono disseram no mês passado que estabelecer quantos restos mortais foram enviados para o depósito de lixo seria uma tarefa que exigiria uma busca exaustiva nos registros de mais de 6.300 soldados que passaram pelo necrotério desde 2001.

Pressionada, a Força Aérea apresentou números esta semana. Entre 2004 e 2008, teriam sido cremados e levados ao depósito 976 fragmentos de 274 militares. Outro grupo de 1.762 restos mortais não identificados foi recolhido no campo de batalha e teve o mesmo destino. Os fragmentos não puderam ser submetidos a testes de DNA por estarem excessivamente queimados ou danificados em explosões. O total de fragmentos cremados colocados no depósito de lixo ultrapassa 2.700. 
 
Representantes da Força Aérea declararam que o primeiro registro de utilização do lixão para essa finalidade data de 23 de fevereiro de 2004. O banco de dados do necrotério começou a operar no final de 2003. Segundo a Força Aérea, os diretores do necrotério decidiram acabar com a prática em maio de 2008. Agora, as Forças Armadas cremam partes dos corpos não reclamadas e não identificadas e jogam as cinzas no mar.

Gari-Lynn Smith, a viúva de um sargento do Exército morto no Iraque, afirmou que recebeu em julho um e-mail de Trevor Dean, diretor do necrotério, dizendo que os restos cremados eram levados para depósitos de lixo pelo menos desde que ele começou a trabalhar em Dover, em 1996. Dean é um dos funcionários que será punido por ter contribuído para divulgar os desmandos administrativos.

O marido de Gari-Lynn, Scott R. Smith, membro de uma unidade especializada em desativar bombas, morreu em 17 de julho de 2006. Em 2007, ela começou a perguntar o que tinha acontecido com os restos mortais do marido. Em abril ela recebeu uma carta do necrotério contando sobre o destino. "É um problema moral", disse Jeff Jenkins, gerente do depósito de King George. "Eu não gostaria que pessoas que morreram lá fora combatendo pelo nosso país fossem enterradas - nenhuma parte delas - no depósito de lixo." / THE WASHINGTON POST "